Espaço Cultural

Este é um espaço dedicado à crítica, à reflexão e ao exercício literário em torno das grandes paixões humanas e do conhecimento.
Estamos inaugurando este espaço em muito boa companhia, com as colunas: Boas Taças, de Fernando Lima,  Pitacos literários, de Justino Vieira e De Pernas para o Ar, de Valéria Grassi.
Toda semana, as Taças do Fernando,  os pitacos do Justino e os textos da Valéria estarão aqui esperando por você!
Em breve teremos mais colunas: arte, cultura, viagens e os grandes prazeres da vida encontraram um porto em nosso espaço cultural.

Boas Taças  por Fernando Lima

Fernando Lima é Engenheiro Químico/UFRJ, pós-graduado em Wine Business/FGV-RJ, WSET certificado/Wine & Spirits Education Trust, possui formação nível III em vinhos portugueses/Academia Vinhos de Portugal e é associado à ABS/RJ, onde participa de grupo de degustação. Assinou a coluna semanal Boas Taças no jornal carioca O Sol durante os anos 2015/2016 e atualmente é editor do seu blog, VINHOS COM FERNANDO LIMA, onde encontramos diversas apreciações, tais como:

Ciel du Cheval, o tesouro de Washington! Se você estiver nos Estados Unidos e se deparar com algum vinho cujo rótulo esteja indicada a denominação Ciel du Cheval, pode comprar que você não se arrependerá. O conselho acima foi do meu amigo Carlos Reis do VinoCult, que é um profundo conhecedor de vinhos norte-americanos. Assim que tive oportunidade, segui a dica à risca e ao abrir uma ampola desta região, vi que valeu cada centavo investido!
Ciel du Cheval é um vinhedo reconhecido pela excelência de suas uvas …(clique aqui para ler na íntegra)

Espumantes em 10 lições! – Atendendo a pedidos e aproveitando que o calor é mais do que convidativo para se abrir uma boa ampola de espumante, seguem 10 informações importantes para os iniciantes conhecerem mais dessa deliciosa bebida e entenderem melhor as informações contidas nos rótulos….. (clique aqui para ler na íntegra)

 

Pitacos Literários por Justino Vieira

Justino Vieira é Engenheiro Civil da área de Estruturas, tão seduzido pelos números quanto pelas palavras. Professor da Engenharia da UFF durante 40 anos e, mais recentemente, da Arquitetura da PUC – RJ, compartilhando com os meninos Estática e vivências literárias, Estabilidade e Autores recomendados.

São algumas das suas produções literárias mais recentes:

Paraty – Carnaval em Paraty é bem legal. Paraty fica a meia distância – que com quatro horas de viagem é uma distância e meia – entre Rio e São Paulo, e assim é bem menos inflamada nessas épocas do que seria de se temer.
Parece uma Ouro Preto a beira mar: tem história de escoar ouro de Minas e contrabando de escravos para as minas de prata no Peru (!), tem arquitetura nobre, tem casario singelo e lindo, tem excelente cachaça, tem (teve, sumiram!) mosquitos, … (clique aqui para ler na íntegra)
Fragmentos de um discurso amoroso e um restaurante que vai ser um sucesso  – Aos trinta anos eu passei pelo período mais atribulado e, ao mesmo tempo, mais excitante da minha vida.
– Mas o texto não era sobre um Restaurante bacana?
Sorrio do meu Rio que sorri de tudo – Um fenômeno absolutamente carioca são as chuvas de final de tarde no Verão. Fortes, relampejadas, intensas e com o imediato alagamento de ruas a nível fluvial. Uma das provas a que deve se submeter quem quer tirar brevê de carioca é a habilidade de se safar nestas ocasiões. Nada de precipitações…(clique aqui para ler na íntegra)

Leia outros texto na coluna  PITACOS LITERÁRIOS.

De Pernas para o Ar por Valéria Grassi

Rondando o mundo escrito, Valéria Grassi foi, primeiro, bibliotecária, depois, foi redatora publicitária, e, em seguida, foi livreira. E todas as coisas que ela foi e que ela,  por ventura e por aventura, ainda será, ela foi, e será, sem deixar de ser leitora, devoradora porque ela é aquela que ronda o uso da palavra.
Agora ela inventou o Tem que ter palavras só para chegar mais pertinho de não fazer outra coisa que não seja escrever.

Confira alguns de seus textos mais recentes:

Sim, eu necessito. – Sim, eu necessito. Sou obrigada. Nem terapia me conserta. Para mim, tem que ter palavras. Ainda mais quando me deparo com o que Roland Barthes chamou de “Punctum”, um acaso que sai da foto e como uma flecha nos fere. Esse acaso, no meu caso, sai também da cena viva, da vida que ….(clique aqui para ler na íntegra)

Respeite a Sinalização – Eu me identifico muito com a placa que tenta lembrar aos motoristas do RJ aquilo que eles, com certeza, aprenderam, mas, no entanto, parecem ter esquecido.
O pessoal agindo de forma absurda no trânsito e a placa lá, firme e forte: respeite a sinalização. …. (clique aqui para ler na íntegra)

Leia outros textos da Valéria na coluna  DE PERNAS PARA O AR.